21 de dezembro de 2013

Almas.

Já passava da meia-noite quando ele apareceu. A rua estava escura, vazia. Não havia ninguém por ali. Ele permaneceu parado e eu só enxergava sua silhueta. Olhei-o nos olhos por tempo considerável para me sentir consumida. Encarava-me de uma maneira hipnotizante que me fez arrepiar e todas as minhas veias pulsarem aceleradas.

Ela estava tão bonita naquele vestido branco. Eu podia a enxergar completamente, mesmo àquela escuridão. Seu olhar parecia terno e eu queria absorvê-la naquele momento. Ouvi as batidas fortes do seu coração, seu corpo arrepiar-se e senti vontade de tê-la em meus braços.

Seu perfume inundou o ambiente, me deixando ainda mais inebriada. Aproximei-me e senti seu cheiro mais de perto. Continuou imóvel, esperando meus movimentos. Beijei sua nuca, seu pescoço, seu queixo... E me fez parar. Segurou firme os meus braços; eu fechei os olhos e senti um gosto de néctar em minha boca. 

Esperei, petrificado, que ela agisse. Eu sabia que o meu cheiro ia causar-lhe sensibilidade. Ela veio lentamente até mim, para sentir mais de perto o meu odor. Minhas pernas estremeceram quando seus lábios tocaram minha pele. Seus beijos leves em minha nuca, pescoço, queixo... Imobilizei-a, pegando seus braços fracos. Desta maneira, sua vulnerabilidade foi manifestada diante de mim. Nossos lábios, enfim, se tocaram.

Nossas almas se fundiram. Eu a queria para mim. Eu já não sabia quem eu era. Éramos um só. Ele era meu. Ela era minha. A noite estava fria. Aqueci-a com meus abraços. Ele me carregou confortavelmente. Caminhei para dentro com ela em meus braços. Conduzi-o até meu quarto. Abri a porta e a atirei na cama. Jogou-me delicadamente em meu colchão. Eu a amei. 



24 de julho de 2013

corpo versus mente

O corpo é sujeito da mente. O corpo fala, finge, sente. O corpo é maior que a mente.
O corpo cria, a mente distrai. O corpo emana sensações, a mente só atrai.
O corpo é escravo, a mente é patrão.
O corpo confunde desejo com razão. O corpo diz sim, a mente diz não.
O corpo apodrece. A mente, mesmo suja, permanece.
O corpo mente. E a mente mente o que o corpo sente.
O corpo fere, mas é a mente que cura. O corpo implora por loucura.
O corpo fica. A mente... ela vai embora. Flutua.

.

24 de março de 2013

Uma década.

Uma década se passou. Uma década sem teu sorriso, sem teu amor, sem tua presença. Uma década sem você. Uma viagem longa, sem volta. O tempo corre, passa depressa. Apesar de tudo, não parece que você se foi há tanto tempo. A saudade é sempre presente. O vazio do coração ainda está lá, numa face meio oca. Um vazio eterno, falsamente preenchido pelas lembranças. As boas lembranças daquele lindo sorriso que saia dos teus lábios, que contagiava a todos... Assim vivo, coberta, mergulhada de lembranças, das poucas e boas que possuo. Vivendo assim pelas próximas décadas, até um dia poder te encontrar novamente, na imensidão. 


11 de março de 2013

Lânguido.


E então você fecha os olhos e ouve sons, ao longe, sons de luzes que se apagam, do mar comendo e salgando a areia e você ver a vida, de olhos fechados e sente o cheiro de caramelo queimado, que é doce, bem doce. E você bebe o ar, o ar denso de uma noite vazia sendo devorada pela solidão. E você come, engole e deixa que o ar se solidifique por dentro. E você toca no vácuo do seu coração e toca nas sementes não germinadas de uma árvore extinta. E você apenas fecha os olhos e fecha e não os abre, não mais para o mundo. O mundo é você, apenas você e ele está dentro do seu ser e então explode esse mundo, o mundo que é somente seu, o mundo que é você. E, de olhos bem fechados, você vive e enxerga por dentro.

30 de janeiro de 2013

Eis o tempo.

Diz a música: "o tempo é um amigo precioso"... Eu já sabia disso, porém nunca levei em conta a sua preciosidade. Sempre tive muito tempo, tempo de sobra, e nunca valorizei. Geralmente deixava-o passar, às vezes despercebido ou por vezes esperando que ele simplesmente passasse e mais um dia surgisse, sem me importar com o que eu poderia perder ou deixar de ganhar. É um absurdo não dar valor ao tempo, enquanto que outras pessoas o procuram, solicitam e quase nunca o tem por muito. Às vezes certas coisas precisam acontecer para podermos observar como estamos levando a vida e nos questionar se é dessa maneira que queremos viver. E nada melhor que um começo de ano incrível para nos fazer refletir em como serão os próximos meses. É exatamente isso que estou fazendo, refletindo em como estou usando meu tempo, aquele que eu já perdi tanto e joguei fora como se nada valesse, nada custasse. Estou aprendendo que o tempo é aquilo que temos de mais importante na vida e que se deixarmos passar, o que fica para trás não volta. Por causa disso, estou começando a rever tudo o que se relaciona com minhas atividades e o tempo, ou seja, estou começando descobrindo em como otimizá-lo, aos poucos. Hoje eu vejo que realmente temos que aprender a administrá-lo. É como dinheiro... se não sabermos utilizar, perderemos com besteiras e ele pode acabar indo embora, escorrendo por aí. Portanto, preconizo: organizem, administrem e saibam usar o tempo da melhor maneira possível e da forma que traga bons resultados, pois é aos poucos que vamos ganhando e conseguindo o que queremos.



.

17 de janeiro de 2013

Três anos.

Sabe quando a gente se sente perfeitamente bem e super bem? Pois é, é assim que eu me sinto nesse novo ano que chegou. Sinto que 2013 está preparando algo de bom para mim nos próximos meses que virão. Ele já começou lindo, bem e percebi que todos os lixos, todas as coisas ruins e que me fizeram mal ficaram mesmo em 2012. Não trouxe nada de ruim daquele ano apocalíptico para cá, só trouxe as coisas boas. De fato, acho que exagerei um pouco nos últimos tempos, falando terrivelmente mal de 2012, mas é que aconteceram coisas que revolucionaram minha vida, daí dá para entender um pouco a revolta. O fato é que, claro, foi um ano muito bom também, pois tive diversas novas experiências, do começo ao fim. Enfim, é um ano que passou e eu só quero melhorar este ano. Percebo mudanças e mudanças boas, em mim, na minha vida, nas pessoas e nas coisas ao meu redor. E só passou meio mês. Desejo que continue assim e eu sei que vai continuar pois tem muita coisa ainda para acontecer, muitos planos, muita diversão, muito o que se viver. E não pode faltar também: muito o que escrever. Hoje está fazendo três anos de blog, então é um dia especial, tanto para mim, quanto para o meu querido blog Ausência ou falta de sentimentos. Estive um dia lendo meus textos anteriores e vi o quanto eu evolui. É claro, quando vamos praticando, conseguimos melhorar, aperfeiçoar... E consegui enxergar isso, a maneira como eu escrevia antes e como escrevo agora. Mudei muito minha forma de escrita, apesar de ter parado um pouco de escrever. Mas o novo ano está aí, cheio de ideias.

:)


13 de janeiro de 2013

Protagonista.


Sempre sonho com algo. Pessoas tristes ou felizes, morrendo ou nascendo. Eu sempre estou assistindo, nunca sou papel principal. Fico como se fosse uma câmera escondida filmando tudo. Eu nunca sou protagonista dos meus sonhos. Mesmo bons ou ruins. E estou percebendo que isso está refletindo na minha vida. Preciso mudar, eu quero mudar, eu vou mudar, e serei protagonista, no meu caminho, na minha vida, na minha história, protagonista de mim.