14 de julho de 2012

Reencontro.

Ela deitou em seu colo, fechou os olhos e pediu para que ele acariciasse seus cabelos. Uma sensação de infinito invadiu o corpo dela e era como se estivesse flutuando, como se o mundo ao redor não existisse. Não era uma nova sensação, ela já sentira outras vezes, outras muitas vezes, mas parecia uma sensação renovada, e de fato diferente, pois há tempos não sentia aquelas mãos pesadas sobre si. Os olhos dela continuavam fechados, mas sabia que os dele se mantinham sobre ela e por isso sorria, imaginando aqueles olhos brilhantes admirando a sua face serena. Não pronunciavam nenhuma palavra, aquele momento não precisava. Os toques bastavam. O barulho de suas respirações bastavam. Mas, em algum momento, foi como se se entregassem novamente a um antigo sentimento. A vontade de toques mais profundos surgiu e foi ele que iniciou, descendo a mão por sua cintura, chegando em suas pernas. Ela tinha suas vontades e acreditou que ele também, e esperava, ansiosa e um pouco ofegante, que ele a tocasse. Um beijo adocicado surgiu de repente, e ela o recebeu, surpresa, mas com uma retribuição incrível. Os corpos se tocaram novamente e ambos tremiam, de ânsia, de desejo, de carinho, e por que não?, de amor. Sentiram a pele, o calor, a energia, um do outro, e mesmo aquele instante passando rapidamente, transmitiu uma sensação de eternidade. E a julgar pelos olhares, ainda havia, sim, mesmo que pequena e remota, uma chama de amor.  

11 comentários:

  1. Quanto tempo não venho aqui *-* teus contos lindos como sempre :*

    ResponderExcluir
  2. "A vida é muito bonita, basta um beijo e a delicada engrenagem movimenta-se, uma necessidade cósmica nos protege." Incrível quando alguém nos faz recomeçar e sentir sentimentos que estavam guardados e nem lembrávamos o cheiro e o gosto. Não é? O silêncio da respiração diz muito.

    Um beijo, cuide-se.

    ResponderExcluir
  3. Silêncio costuma revelar mais do que palavras. E a delicadeza de um olhar pousado sobre o ser amado também capta esta sensação de reencontro. Adorei o teu blog. E voltarei. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Eu não tenho certeza se esses reecontros são uma boa ideia. São sempre, claro, deliciosos, essa coisa de poder reviver um sentimento que já teve o seu tempo... Mas por vezes nos deixam confusas (e essa confusão me faz tomar a decisão errada, sempre).

    Mas o texto está ótimo, me tirou do ar e me levou para um passado não tão distante, mas bem intenso.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. As vezes basta um olhar né?
    Nao precisa dizer mais nada!
    Lindo texto!
    bjo
    opinandoemtudo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. *----* pare véi, fiquei meio triste :~~

    ResponderExcluir
  7. E eu... Ainda estou correndo atrás de um reencontro...

    ResponderExcluir
  8. Tão bonito...
    Tanta gente ainda corre atrás de um encontro, como disseram no comentário aqui em cima... e eu sou uma dessas pessoas...

    ResponderExcluir
  9. "O verbo ler não tolera o imperativo, temos que seduzir, provocar, enamorar.
    Ler por prazer é algo contagiante.
    Tudo isto servirá no futuro como verdadeiros anticorpos para o choque invitável contra a mediocridade, a hipocrisia e a vulgaridade quotidiana, contra a aridez do espírito, a insensibilidade e o declínio das faculdades sensitivas da beleza."

    [Biblioteca José Saramago]

    Venho te Parabenizar pelo dia do Escritor! Que continuemos a encantar sempre!
    Abraço.

    http://apoetaesuasletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Que doçura, vou falar o que?
    Gostoso, bonito, leve... tudo o que eu queria ter lido.

    ResponderExcluir
  11. Deu pra sentir daqui os calafrios no estomago. Muito bem escrito, adorei o cenário e as sensações.

    ResponderExcluir

Me incentive um pouco mais.