11 de janeiro de 2012

Hüpnoos.

A madrugada é vazia, solitária. Nada ouço. Limpo os ouvidos; nada ouço novamente. O escuro se aprofunda cada vez mais, escondendo-me coisas. A madrugada é uma ótima casa. Sinto-me à vontade, respiro um ar calmo, porém denso. Não me importa. Na prateleira, ao longe, pequenos blocos de páginas enchem meus olhos de encanto, me chamam, me convidam para entrar. Sou atraída pelo som, pelo cheiro, pelo sabor. Encontro-me em um corredor, longo e estreito. Vejo uma pequena iluminação em seu final. O convite ainda está feito e estou caminhando, em direção a eles. Meus passos são calmos, cautelosos. Algo me diz que abaixo de mim se encontra o fim. Quanto mais ando, mais o caminho se alonga. O convite ainda está de pé, eu quero encontrá-los. Incomodo-me com a demora, com a distância. Peço que venham até mim. Negam-se. Procuro desistir, mas o caminho atrás de mim não mais existe. O escuro o engoliu, trancou tudo o que eu tinha. O chão começa a tremer. O fim está abaixo de mim. Quebram-se em toras as madeiras. Tento correr, mas sou sugada, pelo escuro, pelo fim. A madrugada é vazia, solitária. Nada ouço. Os devaneios caem em letargia.

17 comentários:

  1. Não há abismo que não tenha a sua luz, abraços

    ResponderExcluir
  2. E mais uma vez nos encontramos no fim do poço, do poço, do poço, do poço. Mas não há amor que não possa nos revigorá. Acredite, coragem, e siga em frente.

    Beijos :)

    ResponderExcluir
  3. adoro tudo que vc escreve.
    sempre profundo e com munto sentimento.
    uma coisa é certa, até o pior dos abismos tem um fim, e depois so resta levantar e seguir em frente.

    ResponderExcluir
  4. Esses fins devem ser abismos da alma. Embora latejem, o fim pode ser a luz. Lindo querida. Um beijo!

    ResponderExcluir
  5. Qual o significado do título? Em que língua? :)

    ResponderExcluir
  6. Esse texto me lembra a sensação de quando um sono, incontrolável, vem me incomodar. É como se você tivesse descrito exatamente momentos como esse, em que as coisas começam a ficar confusas demais, pelo cansaço, por esta força que vai se fortificando.

    Gostei do texto, tamanho perfeito, adorei a seleção de palavras também, e o finalzinho, idêntico ao começo.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Pois é, os textos dela são incríveis.

    ResponderExcluir
  8. a madrugada é tipo uma sereia, que nos encanta e nos leva para o breu '-'

    beijas, sua linda! ;*
    s2

    ResponderExcluir
  9. conto realmente perturbador. Adorei :D

    ResponderExcluir
  10. Gostei demais. Ando me sentindo um pouco assim... mas cheia de devaneios e sem saber como jogá-los nas palavras.

    ResponderExcluir
  11. kkkkkk Sabe o que gosta de fazer na madrugada?
    Estudar! É o melhor horário pra se fazer isso xD

    ResponderExcluir
  12. Adoro madrugada!
    Devaneios de madrugada são ótimos.

    ResponderExcluir
  13. Muita obrigada pelo seu comentário :)
    To respondendo na página de comentários mesmo.

    ResponderExcluir
  14. Olá, parabéns pelo seu blog.
    Te convido a conhecer o meu,
    http://carmasepalavras.blogspot.com/

    ;)

    ResponderExcluir
  15. Nossa, como isso me fez falta! Amei esse conto, me senti dentro dele, até deu aquela falta de ar, frio na barriga. haha
    Adorei, Laura, parabéns... Você é muito talentosa, menina, mas sei que disso você já sabe! ^^

    ResponderExcluir
  16. Está bem escrito, isso é verdade, mas eu não gostei - fiquei com um nó.

    ResponderExcluir

Me incentive um pouco mais.