3 de setembro de 2011


E quando a noite vem, eu me recolho. Finjo que não vejo ninguém, fujo e me escondo no meu cantinho. Fecho todas as portas, todas as janelas. Não abro espaço para a luz entrar. Ninguém entra, ninguém pode entrar. Tranco tudo, toda e qualquer abertura que tiver. Mas somente uma coisa eu deixo aberta: minh'alma.

9 comentários:

  1. Há dias que não abrimos nenhuma fresta de luz... só a alma fica livre!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. E aí vem aquelas poucas pessoas que conseguem abrir uma fresta e cuidam da gente.

    ResponderExcluir
  3. verdade, existem momentos que é necess´raio a solidão para encontrarmos a verdadeira voz da alma ;D

    ResponderExcluir
  4. Seus textos são enigmáticos, e isso é tão mravilhoso, pois eu tento fazer ums poemas assim e infelizmente não consigo (risos). Mas enfim,
    quando durmimos a única coisa que fica acordada é nossa alma.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  5. Tenha um ótimo domingo para você $:
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  6. Menina, ainda bem que vc deixa uma porta de entrada, porque fechar tudo sufoca.
    Muito bom mesmo.

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Olá:

    Gostei de ter caído aqui. Gostei muito.

    Um beijo.

    Nita

    ResponderExcluir
  8. E é tão bom ter esses momentos, de mim comigo mesma.

    ResponderExcluir
  9. é o encontro entre eu e eu mesma :)
    uma descoberta de sentimentos!

    ResponderExcluir

Me incentive um pouco mais.