23 de fevereiro de 2011

Há sempre uma maneira de salvar o seu dia.

Em uma bela manhã acordei. Abri as cortinas e a janela do meu quarto e raios de sol invadiram o ambiente, por todos os lados e frestas possíveis. Toda aquela luz, apesar de forte e incomodar um pouco meus olhos semi-abertos, me fez despertar imediatamente. Fazia tempo que eu não acordava tão feliz em ver o sol e seus raios. Aquilo me atingiu de uma maneira que não sei explicar. Foi um estado repentino, de euforia, que me pegou.

Já acostumada com a luz do sol, fui até a janela para observar melhor e pude ver aquele brilho intenso do sol e algumas poucas nuvens distribuídas por todo aquele céu azul turquesa. Esbocei um sorriso de ponta a ponta com uma ideia magnífica que tive: ir à praia. Nada melhor do que observar aquele céu bonito, sentada numa cadeira, embaixo de uma sombra e tomando uma cerveja ou uma água de coco.

Não queria largar da janela, mas também não poderia perder meu precioso tempo. Procurei meu melhor biquíni e fui às pressas tomar meu banho. Quando a água gelada caiu sob meu corpo quente, era como se eu já estivesse na praia, mas necessariamente no mar, mergulhando, com as ondas batendo em meu corpo.

Imaginar para quê? Coloquei meu biquíni, calcei minhas sandálias de praia, peguei minha bolsa, com meus pertences e fui diretamente para a porta. Quando pus meus pés no tapete, o misto de felicidade mudou para tristeza e decepção. Aquele céu, azul e bonito, com seu sol e raios, mudaram repentinamente para um cinza escuro. Eu não via uma pontinha sequer de azul, muito menos algum raio de sol escapando.

Não entendi como tudo mudou assim tão de repente. Eu queria sol, eu queria um céu azul. Eu os tive por pouco tempo e não os apreciei fora de casa. Sentei-me desconsolada na varanda, olhando aquela chuva que começava a cair. A chuva foi se tornando torrencial e eu ainda observava, com um olhar triste. Acabei me cansando de estar entregue à tristeza e de repente me levantei. Já estava de biquíni e não seria difícil descer dois degraus para tomar um banho de chuva.

Entreguei-me a felicidade de receber a água da chuva, já que não poderia receber a luz do sol. Enquanto pessoas passavam correndo pela rua, com seus guarda-chuvas, lá estava eu, pulando em poças, com o corpo todo molhado e rindo à toa.

Se o tempo achou que eu ia me entregar a tristeza, ele estava muito enganado. Solução sempre tem, é só encontrar.



Gente, acreditem! Eu não tinha pensado na possibilidade de os acenos serem de boas vindas. Vocês são uns gênios, obrigada!

12 comentários:

  1. A chuva é linda, acalenta, faz sonhar, assim como todas as manifestações da natureza; da tempestade ao raio de sol! abraços

    ResponderExcluir
  2. Adorei! Sério nunca tinha visto alguém achar uma solução tão boa assim!!!
    Mas nada como um banho de chuva pra lavar a alma é!! :)
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Ai, que legal, Laura. Viajei, agora :D
    Essa semana, realmente, foi de muitas gotinhas de chuva, mas sabes, isto me fez tão feliz? Sempre é bom revezar entre o brilho do sol e o carinho da chuva.

    Adorei teu conto. Foi real mesmo, num foi? (Algo que é bem natural em ti). Beijos, flor, e tenhas ótima quarta!

    Com amor,
    Cynthia**

    ResponderExcluir
  4. ownn... adoroo quando chove.
    eu só gostaria de não ter vergonha de tomar banho de chuva, e esbanjar felicidade nesse simples ato. deve ser maravilhoso né! hihi

    um bjãOO pra ti querida

    ResponderExcluir
  5. adOro banho de chuva !
    já tomei banho de chuva na lagoa do araçá !
    http://aninhasouto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. é verdade, meu! sempre tem, sempre tem.

    por um momento, me lembrei de sp. aqui é assim: tá um sol incrível e, 1 minuto depois, a cidade resolve fechar suas curtinas e fica tudo escuro, como noite. doido, né?

    o esquema é se adaptar a essas mudanças loucas e não morgar. :)

    ResponderExcluir
  7. Nossa, eu era assim, qualquer coisinha por minima que seja a tristeza vinha e me pegava de jeito..
    nossa e eu ficava tão mal.

    Hoje consigo tirar das piores situações um sorriso, assim meu humor sempre melhora!

    beijos flor, saudades daqui!

    ResponderExcluir
  8. lindo conto, Laura, me trouxe a memória a primeira vez que visitei seu blog e me apaixonei por sua escrita porque era algo sobre chuva! que é um fenomeno da natura de que eu amo. beijo, :*

    ResponderExcluir
  9. Que bom que não se entregou. Ótima solução!

    E banho de chuva é tão bom, não é?

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Que susto!
    Justamente enquanto lia seu texto, minha mãe comentava como o tempo havia mudado. Logo de manhã aquele sol lindo e reluzente e, de repente, o céu tornou-se cinza e começou a chover.

    Quando eu penso que teus textos já são reais o suficiente, vem você (e o mundo) me surpreender.

    Beijos e Acenos :D

    ResponderExcluir
  11. Solução sempre tem, é só encontrar. - Com certeza, sempre se dá um jeitinho.
    Não devemos dar mole pra tristeza, não. rsrs

    Lindo texto, Laura, encantador como sempre. ^^
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Adorei *-*
    Pude sentir o sol em minha pele no momento em que a janela foi aberta, e a chuva em meu corpo enquanto tomava banho de chuva.
    Ficou tudo muito incrível *-*

    ResponderExcluir

Me incentive um pouco mais.