4 de outubro de 2010

O teste - 3º capítulo: O diário.

Acordou ofegante, assustado e bastante suado. Ficou triste por saber que estava no mesmo lugar. Em seu pensamento, preferia cair para sempre a estar trancado naquele quarto assombroso. Sim, o quarto era limpo, não havia ratos, nem baratas, não era preto, tinha banheiro, mas mesmo assim ainda era assombroso. Decidiu então lutar contra o medo de estar ali e foi até a mesa onde havia a caneta e o caderno, até por que aquilo não estava ali de enfeite.

Começou a relatar como estava se sentindo ali e como era o local. O descreveu nos mínimos detalhes, de que tamanho era o quarto, a cor, onde ficava a cama, a mesa, a porta para o banheiro e a tal porta de saída, por que para ele não era de entrada, já que não lembra como chegou até ali.

Fez do caderno o seu diário. Narrou como acordou ali, quando recebeu o cartão e até seu sonho. Perguntou-se por que estava ali, pois não tinha inimigos e sabia que seus poucos amigos jamais fariam algo assim. Também se perguntou quem era, pois não lembrava mais de sua fisionomia. Tentou com todas as suas forças se lembrar do que tinha feito no dia anterior ou naquele dia mesmo. Ali, no quarto amarelo, ele não tinha noção do tempo, noção da hora, noção de nada. Sabia que existia e só.

Podia ser manhã, tarde, noite ou madrugada. Ele não saberia. Mesmo se lembrasse do que havia acontecido no dia anterior (ou naquele dia), não tinha noção de quanto tempo ele dormiu até acordar pela primeira, pela segunda e pela terceira vez.

Escreveu três páginas do caderno, o que achou muito, pois não chegava a nem metade de uma folha. Porém sua letra já não estava tão boa como no começo. Estava trêmula e sua visão começou a falhar. Além disso, a mão estava fraca por ele tanto bater na porta. Sentiu um embrulho no estômago e pela primeira vez notou que fazia muito tempo que não comia. Pelo menos era isso que o seu estômago estava indicando.





Obrigada pelos comentários, gente. Não sabia que essa história ia render tanto assim.
Só espero não decepcioná-los no final, que já está sendo preparado. ;*

11 comentários:

  1. ahhh, estou amando essa história Laura. E pra não decepcionar é só caprichar no final ;)

    ResponderExcluir
  2. 3° Capítulo Ma-Ra-Vi-Lho-So!
    Estou amando a sua maneira de levar os fatos, de exprimir as sensações dele e de nos mostrar cada detalhe das coisas.
    Quanto ao que vem depois, não faço ideia, mas espero com ansiedade e curiosidade.
    Está muito bem escrito. Cenas claras, sentimentos intensos e toda a descrição está ótima.
    Gostei mesmo.

    Beijos... Espero por mais!

    ResponderExcluir
  3. Você está superando minhas espectativas! Menina, de onde você tira tanta criatividade?
    To mega curiosa pra descobrir quem é ele e o que está acontecendo e porque! Nossa! Bom de mais, amo mistérios.
    Esperando anciosa por mais. õ/

    ResponderExcluir
  4. Voltarei para ler a continuação da história. Muita boa! Seguindo você. =)

    ResponderExcluir
  5. Laura, quando comentei estava no Cap. I, e fiquei com medo de você não retribuir a visita, pois quando li seu post estava no trabalho e não guardei o endereço, felizmente você respondeu e agora vou poder saber como termina a fantástica história.

    E como já disseram, terceiro capitulo maravilhoso, assim como o segundo... Você escreve muito bem! Consegue transmitir todos os detalhes em pouco espaço.

    Parabéns!


    Beijão!

    ResponderExcluir
  6. li os tres, porem estou comentando somente no 3º, estava fora por alguns dias, enfim, meus parabens, eu adorei muuuuuito, aguardo anciosa por mais.

    beijos s2

    ResponderExcluir
  7. Está ficando cada vez melhor. Esperando pelo proximo capitulo =)

    Ah sim, como ja falei aqui anteriormente tb moro em Recife. Acabei de me formar em jornalismo na mauricio de nassau e ja estou trabalhando na minha area. Assim como vc tb adoro escrever.

    E vc? Faz facul ou ja terminou tb?

    Bjo

    ResponderExcluir
  8. Tensão mantida. Eis a grande vitória de um conto. Interessante, ele ter escrito. Percebeu alienação em si mesmo. Queria manter-se são. Não lembrar-se do próprio rosto indica amnésia ocasional, certamente por via de terror ou estresse profundo. Que loucura, Laura!!! Muito bom mesmo!
    Abraço carinhoso
    Lello

    ResponderExcluir
  9. Tô querendo saber a continuação...rs

    ResponderExcluir
  10. acho que os comentáriios ai de cima ja dizem tudo néh?

    ResponderExcluir

Me incentive um pouco mais.