18 de setembro de 2010

Comida.

Eu não sei exatamente o que aconteceu com ela. Na verdade, não me importa muito. Estávamos no meio do sexo, enquanto eu dava altas investidas nela (se é que me entendem). Ela não gemia, ela berrava em meu ouvido. BE-RRA-VA! E só um detalhe, o quarto dos meus pais é do lado do meu. A parede é oca, ou seja, tudo o que acontece aqui, do outro lado eles ouvem. Tanto é que já aconteceu o contrário. Um dia acordei com barulhos estranhos, vindo do quarto do lado. Daí eu pensei: "O que será que tá acontecendo? Será que mamãe tá precisando de ajuda?" Pura inocência da minha parte.

Eu acho tão bizarro saber que os pais fazem sexo. Não sei por que, mas para mim, eles são meio que santos. São os meus santos. Não que eu acredite nisso. Mas pensando bem, é estranho. Acho que se algum dia eu chegasse a ver, eu me jogaria da varanda. Sério. Eu preferia morrer a ter que olhar na cara deles depois. Só espero não chegar a vê-los fazendo. (Favor desconsiderar esse parágrafo)

Ela se "despenetrou" e eu mal tinha começado a dar as minhas investidas. Ela me deixou na mão, ou melhor, me deixou com a minha mão. E eu comecei a me ajudar, já que pensei que ela não voltaria. Depois de algum tempo, ela voltou. Sim, ela havia saído do quarto. Não me perguntem o porquê. Mas quando ela voltou, seu cabelo parecia uma juba de leão. Seus olhares pareciam de assassino e nessa hora eu fiquei com medo, muito medo. Após berrar em meus ouvidos durante os três minutos do ato, me deixar na mão, sair e depois entrar no quarto com o diabo no couro, eu realmente fiquei com medo.


Eu não entendi isso, mas provavelmente ela tinha ido ao banheiro. Acho que precisava de mais concentração. Fiquei pensando também se ela não havia tomado algum comprimido estimulante, sei lá, mas quando ela chegou, eu não mais me vi.

Quando tudo terminou, além de surdo, eu estava morrendo de fome, como de costume. Era sempre assim, depois que terminávamos, ela ia até a cozinha e preparava algo delicioso e comíamos juntos. Só que dessa vez foi diferente. Quando eu cheguei a pedir a ela para preparar a comida, ela disse: "Eu não faço comida. Eu sou a comida!"









Eu não ia 'falar', mas não consegui. Para quem gostou do conto anterior, estou 'trabalhando' numa continuação. Será a próxima postagem. :) E espero que gostem dessa. Tive essa ideia repentina e escrevi em quinze ou vinte minutos. Coisa raríssima. Beijos, leitores.

19 comentários:

  1. haha. hilário e divertido.
    interessante esse: eu sou a comida!

    ResponderExcluir
  2. Esse texto foi estranho... mas de um jeito bom.
    Gostei do final, imprevisível xD

    ResponderExcluir
  3. Nossa, escrever algo rápido é coisa rara pra mim também .-.
    bom, e que mulher confiante ._.

    ResponderExcluir
  4. Obrigadah pelo incentivo **
    não a media de cda capitulo tem umas 12 pgnas
    aquela so é uma parte do primeiro cpitulo, eu vou fazer assim, so uma parte de cda capitulo.
    entendes...
    bjokas

    ResponderExcluir
  5. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk'
    adorei flor!
    E olha, entendo que vce não tenha concordado com a minha opinião, normal pow. Blog é para isto. Todo mundo aqui é adulto e sabe (ou pelo menos deveria saber) lidar com divergencias de opiniões. Mas ainda assim, adorei mesmo a tua opinião mesmo que discordando! *.*
    Menos de um mês e estarei em Recife! Iebaaaaaaaaaaaaa!

    ResponderExcluir
  6. eu queria saber quem escreveu aquele texto :)

    ResponderExcluir
  7. Fico mega feliz em saber que você lê todos os meus posts, e que tem paciência pra isso :P
    Sabia que quando escrevi aquele post da noite "À luz da lua" eu tinha acabado de ver as estrelas? Eu acho que tinha ido recolher roupa, e estava de noite, o céu limpo e poucas nuvens bem branquinhas voando. As estrelas brilhando lindaaaaaas e um vento M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O *-* Foi por isso que surgiu aquele texto ^^
    Realmente a noite é encantadora.
    E que bom que gostou do layout novo ^^
    Bjs.

    ResponderExcluir
  8. é bizarro isso dos filhos nao pensarem nos pais fazendo sexo, rs
    beijo!

    ResponderExcluir
  9. Que legal, gostei do texto, é bem interessante. E sobre o fato dos de nós não conseguirmos imaginar os pais fazendo o que fazemos.. haha é meio estranho e nojento mesmo :P


    :*

    ResponderExcluir
  10. Talvez tivesse tipo uma pitada mais "erótica" se você trabalhasse nele um pouco mais. Mas gostei da estrutura em si.. só não gostei da mistura pais/filho.beijos

    ResponderExcluir
  11. ADOREI! sério e sim todos nós prefermios pensar que viemos de uma alface haha.
    Beijos vou seguir aqui

    ResponderExcluir
  12. tem hora que surge a inspiraçao do momento e tem hora que nao ! tem hora que fico la horas e horas ! mas vs representou mtooo bem, parabens !
    beeeeijos

    ResponderExcluir
  13. ai flor, de fato concordo ocom o que tu escreveu no meu blog. :')
    Chérrie, tenho post novo. Depois dá uma olhada. E escreva a continuação daquela história! *.*

    ResponderExcluir
  14. Muito boa essa postagem \o
    ameei :)
    muitooo boa mesmo .*

    ResponderExcluir
  15. A postagem mais diferente que já vi nesse mundo dos blogs! Parabéns.
    Eu ri muito: Acho que se algum dia eu chegasse a ver, eu me jogaria da varanda.

    bjs

    ResponderExcluir
  16. Caraca, adorei teu texto. Mto bom, quanto a ouvir teus pais fazendo "akilo", já me aconteceu coisa pior. Acredite. Beijo.

    ResponderExcluir
  17. Eita, ela é a comida hein? skaoskaoska
    Essa garota é meio louca, eu fiquei com medo! oaksoaksoaksoka

    Beeijos!

    ResponderExcluir
  18. Demais.
    Gostei muito de todo o calor do conto.
    E incrível o humor com que você o desenhou eu particularmente amei.

    Beijos

    ResponderExcluir

Me incentive um pouco mais.