9 de maio de 2010

A noite de Morgana

Era noite de sexta-feira. Noite chuvosa. Morgana estava sentada na cadeira da sala. A chuva lá fora era quase torrencial. Jimmy, seu animal de estimação, estava deitado no chão, perto dos seus pés. Ele não gostava de chuva. E tremia, principalmente quando as chuvas vinham "recheadas" de relâmpagos e trovões. A casa rangia muito quando chovia, e ele tremia mais ainda por causa disso. Morgana já estava acostumada com isso, até por que já fazia cinco anos que eles moravam naquela casa e isso não era nenhuma novidade.
O tédio descia junto com a chuva, inundando certos cômodos da casa. Sim, era sexta-feira e Morgana estava em casa. Isso era muito raro, posto que ela não parava uma noite sequer em casa. Seus vizinhos diziam que ela era garota de programa, pois sempre chegava em casa pela manhã e sempre em carros diferentes.
Ela não assumia, mas sim, era garota de programa. Nunca teve formação alguma e perdeu sua virgindade aos treze anos, com seu namoradinho da escola. Morou com a mãe até os quinze, quando esta morreu. A partir daí, teve de se virar sozinha. Vendeu o velho apartamento em que moravam e comprou uma pequena casa, a atual em que mora. Aos dezesseis abandonou a escola e começou a ir para rua, pois o dinheiro da venda do apartamento era pouco e durou apenas dez meses. Não fazia isso porque gostava, mas pela necessidade. Não tinha parentes para lhe ajudar, mas só um velho tio que morava na cidade ao lado, que para Morgana, era um pé na cova.
Ela ligou a televisão. Outra coisa rara. Ela mesma não entendia porque tinha TV, porque nunca tinha a coragem de se sentar em frente a uma caixa quadrada que não trazia nada de bom para ela. Mas hoje era O dia raro para ela. Durante cinco minutos ficou com o controle na mão, procurando algo para assistir. E nada encontrou. Acabou desligando a TV e ficou sentada ali mesmo, pensando. Não sabia se ligava para Lucas, Mateus ou Jaime. Seus prediletos. “Será que eles estão em casa?”, pensou. Não havia dúvidas, é claro que eles não estariam. Possivelmente estariam em bares, restaurantes ou festas com suas respectivas esposas. Ela gostava de ser A Outra, mas não nessas horas. Ficar em casa numa sexta-feira não era de seu feitio.
O que a impedia de sair era a chuva, que começou desde às quatro horas da tarde e não parou um minuto. Seu horário no prostíbulo era às nove da noite e já passava das dez. Ela ligou mais cedo para lá dizendo ser impossível sair com uma chuva dessas. Pensou que, por conta da chuva, hoje teria poucos clientes. Mas tirou essa idéia da cabeça. “O homem que quer sexo, não importa a hora, o dia, o tempo, a situação, ele enfrenta tudo”, sua nova teoria.
Já não agüentava mais ficar sentada, ouvindo a chuva e pensando. Jimmy às vezes lhe tirava a paciência quando tinha suas crises de medo. Foi até a cozinha já pensando em preparar um chocolate quente, e viu que faltava o principal, o chocolate. “Isso não pode estar acontecendo”, falava para si. Hoje seria a noite que ela estaria completando dois anos no prostíbulo e queria de alguma forma comemorar. Comemorar com sexo. Não havia coisa melhor.
Mas tudo estava dando errado. A chuva atrapalhou sua grande noite. Deixou de lado a idéia do chocolate quente e acabou tomando um café do dia anterior. Estava frio e ela teve que esquentar. Pelo menos algo quente para beber nessa noite solitária que ela teria pela frente. Sim, seria a noite toda nesse grande tédio. Depois dos dezoito anos, nunca dormiu antes de o dia amanhecer. Era sempre cinco horas, seis horas e até dez horas da manhã. Tinha clientes que não a deixava em paz ou ela não os deixava. Ela aproveitava, pois quanto mais horas passava com eles, mais dinheiro ela ganharia.
Tomou o café requentado. Levou um susto com Jimmy e acabou derrubando a xícara vazia no chão, que se espatifou toda. Já estava chorando de raiva quando o telefone tocou:

- Alô? – Sua voz parecia de uma criança, quando estava triste.
- Alô, Morgana? Aqui é Lucas que tá falando. Está tudo bem com você? – Lucas havia percebido que o tom de sua voz estava um pouco diferente.
- Oi, Lucas. Não, tá tudo péssimo comigo. Com essa chuva não posso sair de casa. E hoje você sabe, né? Seria minha grande noite e eu estou em casa sem poder sair.
- E se eu lhe disser que estou em frente à sua casa, lhe esperando?
- Jura? Não acredito! – Morgana olha pela janela e ver um carro preto estacionado. Possivelmente o de Lucas.
- Juro! Fui na Casa Oito e me disseram que hoje você não vinha por causa do imprevisto. Achou que eu não ia te ver hoje?
- Por um momento, achei sim. Você disse que Mirian não viajaria esse final de semana, então pensei que...
- Olha, você está pronta? Estou com uma pressinha, e você sabe.
- Ah, desculpa. Sei, sei... Você e essa sua pressinha, hahaha. Você espera só cinco minutinhos?
- Espero sim, seus cinco minutinhos. Só não me deixe aqui plantando.

Morgana se arrumou o mais rápido que pôde. O vestido que ela havia comprado para a grande noite ainda estava estendido em sua cama e ali ficaria até o outro dia se não fosse sair. Tomou um banho curto, pois havia tomado de nove horas da noite. Vestiu seu lindo vestido perto e curtíssimo, com um grande decote na frente. Maquiou-se rapidamente, nada exagerado. Colocou seus sapatos e seu melhor perfume. Após dez minutos e meio - Lucas contou - Morgana entrou no carro, impecável e linda. Lucas a olhou, admirando-a. Falou com ela em pensamentos: “Morgana, você é tão linda. Você devia ter me conhecido antes, devia ser minha esposa. Eu fico imaginando você com outros e não agüento...”

- Lucas, o que foi? – Morgana sorria meio sem graça enquanto ele a olhava.
- Você está perfeita! , e deu-lhe um grande beijo.

Lucas ligou o carro e partiram. Morgana contou a Lucas que não agüentava mais ficar em casa. Disse-lhe que ele fora sua salvação para aquele dia. Mas ela sabia que ele nunca a deixaria na mão, a menos que acontecesse algo de grave e ele não pudesse comparecer. Mateus e Jaime, ela sabia, nunca fariam algo como Lucas fez. Eles estavam na lista de seus preferidos, mas ela os conhecia, eles não teriam essa coragem de sair de casa e ir buscá-la em casa. Morgana morava do outro lado da cidade, muito longe da Casa Oito e todos eles moravam por ali. Mas Lucas era corajoso. Cruzaria o mar, se fosse preciso, para buscar Morgana. Ele estava realmente apaixonado por ela. Muitas vezes, esquecia que era casado, mas Morgana fazia questão de lembrá-lo. Ela também gostava muito dele e até já pensou em deixar sua profissão, se ele a quisesse como esposa e a convidasse para morar com ele. Mas isso era complicado para Lucas. Apesar de ser casado há três anos e meio com Mirian, não poderia deixá-la agora. Ela engravidou, mas perdeu o bebê e estava em depressão.
Morgana não entendia porque Lucas tinha se casado com Mirian. Ele não a amava e ela era uma louca ciumenta. Lucas já tinha deixado Morgana diversas vezes por que Mirian ligava perguntando onde ele estava. Até de longe, ela não o deixava em paz. Morgana sentia raiva e inveja ao mesmo tempo de Mirian. Por ela ter atrapalhado várias noites e por ela ser casada com ele.

- Ei, para onde a gente está indo? Você passou a Avenida que dá entrada para a rua da Casa Oito.
- Ah, foi? Não percebi. – Respondeu, com cara de cínico.
- Lucas, o que você está aprontando hoje, você pode me dizer?
- Claro... Que não! É Sur-pre-sa, Morgana.
- Você sabe que eu não gosto de surpresa, não sabe?
- Mas hoje você vai gostar. E pode ficar tranqüila que eu já avisei à Marlene que você vai passar a noite comigo em outro lugar.
- Como você fez isso?
- Segredo.

Morgana pensou um minuto e falou:

- Você está diferente hoje. O que aconteceu? Você me disse semana passada que iria sair com Mirian hoje.
- Eu iria, mas ela inventou suas coisas lá. Não estamos bem. Ela, como sempre, com seus problemas. Estava estressada por que não viajou para ver a megera e não queria sair porque estava chovendo e eu disse que sairia sem ela.
- E o que você falou para ela deixar você sair?
- Nada. Disse que ela não me ligasse e que eu voltaria a hora que quisesse. Ela deu de ombros, acreditando que eu não faria isso. Quando me viu saindo, gritou meu nome e ficou falando algumas coisas que nem escutei. E vou até desligar meu celular antes que ela ligue.
- Você só pode ser louco, Lucas.
- Que nada! É bom ela ficar sozinha uma noite, para ver se deixa de ser assim. E isso foi melhor para mim. Imagine eu ter que enfrentar aquele jantar cafona que ela marcou com os colegas de trabalho? Ainda bem que choveu. Só assim para eu me safar.
- Agora eu estou gostando da chuva. Se não fosse por ela, eu não estaria aqui com você. Onde est... – Morgana olhou em volta, tentando conhecer o lugar, que era muito diferente da Casa Oito.

- Boa noite.
- Boa noite. Meu nome é Lucas Jean Ferraza. Eu reserv...
- Por aqui, senhor Lucas. A suíte presidencial está a sua espera.

- Suíte o que? – Morgana ficou boquiaberta e não acreditou no que ouviu.
- Eu disse que você iria gostar da surpresa.
- Lucas, você é muito maluco.

O mordomo os levou até a suíte. Lucas deu-lhe uma gorjeta e o mordomo foi embora.

A suíte era magnífica. Morgana se sentia num sonho. Ela nunca tinha ido num lugar assim. Era muito grande, maior do que seus quarto, sala e cozinha juntos.

Lucas a levou para a varanda, onde tinha o jantar que ele havia pedido. A chuva enfim cessou. Morgana foi até lá e admirou a linda paisagem escura e o mar ali, bem próximo a eles. Ela não tinha percebido que ele a levara para o hotel mais caro da cidade e que ficava na beira mar. A suíte ficava no vigésimo quinto andar. Tudo lá embaixo não passava de pequenos pontos. Morgana se sentou na cadeira, ao lado da de Lucas e ele propôs um brinde:

- Um brinde a você, Morgana, que sempre me proporciona prazeres, de todos os modos possíveis.

Jantaram e foram direto para a banheira. Lucas já estava excitado desde que viu Morgana quando entrou no carro. Tirou o lindo vestido que Morgana usava. Ela também usava um lindo conjunto de lingerie que ele tinha dado. Ela só poderia usar só se fosse com ele, claro. Ele tirou delicadamente a lingerie e a deixou totalmente nua. Ela entrou na banheira enquanto ele tirava a sua roupa. Ele saiu rapidinho e voltou com duas taças de champanhe e as colocou próximas a banheira. Morgana já não agüentava mais a espera e puxou Lucas para dentro... Da banheira.

Ficaram meia hora na banheira, só nas preliminares. Lucas não queria transar ali, pois na Casa Oito, Morgana sempre transava na banheira com os clientes, a pedido deles. Foram para a cama, ainda molhados. Beijaram-se e enquanto isso, Lucas a penetrava devagar. Morgana sentia algo quente a penetrando e estremeceu de prazer. Transaram loucamente por quase duas horas sem parar. Ficaram pouco tempo na cama. Transaram na varanda, no tapete, na poltrona, no sofá, embaixo da cama, na banheira, no chuveiro, na cozinha, no balcão, no chão, de quatro, de pé, deitados, de costas, de lado, de frente, por cima, por baixo, em todos os lugares e de todas as posições possíveis. Não paravam, não cansavam, pediam sempre por mais.
Após duas horas de prazer intenso, os dois gozaram juntos. Como Lucas não estava usando camisinha, gozou dentro de Morgana. Era a primeira vez que isso acontecia, a primeira vez que Morgana tinha deixado, depois de muitas insistências de Lucas. Também era a primeira vez que ela transava sem camisinha, depois de ter perdido sua virgindade.
Os dois estavam molhados, só que dessa vez não era de água e sim de suor. Tomaram um rápido banho e foram para a cama, e dormiram do jeito que estavam: nus.

Morgana acordou às nove horas da manhã procurando Lucas pela cama e ele não estava lá. Pegou o roupão que estava pendurado no cabide e foi até a varanda. Lá estava ele, preparando o café da manhã ele mesmo.

- O que você está fazendo?
- Nosso café da manhã.
- Nossa, eu não sabia que você sabia cozinhar.
- Ah, Morgana, você ainda não conhece meus dotes.

Comeram o que Lucas havia preparado, foram para a cama e mais uma vez, transaram. Após isso, Lucas pediu que Morgana se arrumasse, pois ele teria que está no trabalho às onze horas. Morgana tomou um banho, colocou seu vestido preto, calçou seu sapato. O mesmo fez Lucas.

Saíram do quarto, pegaram o elevador e foram para o estacionamento. Do hotel até a casa de Morgana, não dirigiram uma palavra sequer ao outro. Lucas estacionou o carro em frente à casa de Morgana e foi ela que quebrou o silêncio:

- Lucas, eu não sei nem como agradecer a noite maravilhosa que você me deu.
- Morgana, você não deve agradecer. Eu que tenho que te agradecer por ter entrado em minha vida. Na verdade, eu que entrei na sua, né? – Lucas brincou.
- É verdade. – Morgana riu. – Mas foi maravilhoso, Lucas.

Lucas olhou nos olhos de Morgana e com toda a coragem, ele disse:

- Morgana, eu nunca imaginei que isso aconteceria comigo, mesmo depois de casado. Eu nunca tive coragem de dizer verdadeiramente isso a alguém, mas... – Hesitou um pouco e continuou. - Eu estou apaixonado por você. Eu amo você, Morgana. Eu sei que você é uma garota de programa e nós não poderíamos ter nos envolvido assim, mas todo dia eu penso em você. Quando eu transo com Mirian, não é nela em que eu penso, é em você Morgana, em você.

Morgana não sabia o que dizer e deu um grande beijo de despedida em Lucas.

- Você pode vir aqui depois do trabalho? Desta vez eu farei uma surpresa.
- Claro que sim. Você nunca me convidou e eu não vou recusar uma primeira vez.

Morgana aproximou-se dele, deu um beijo de leve em sua orelha, Lucas estremeceu e ela falou baixinho:
- Eu também amo você.

Saiu correndo do carro sem olhar para a cara de Lucas. Ele ficou sem ação por um tempo, mas viu que estava atrasado, ligou o carro e foi embora.

Morgana entrou em casa radiante. Olhou pro relógio, onze horas. Seu maior recorde. Ainda não acreditava que tinha passado a noite com Lucas no Hotel Rystory. Foi, com certeza, a melhor noite que ela havia passado com um homem em toda a sua vida. Era inevitável, mas estava apaixonada por Lucas. E ele também estava apaixonado por ela. Morgana ia fazê-lo largar a louca da esposa dele e ficar com ela. Ele com certeza faria isso por ela.

2 comentários:

  1. nossa, tenho que elogiar uma coisa: é uma estória que escapa da crueldade e da tensão da miséria no submundo pra dar uma 'noite de princesa', suave e romântica, a uma prostituta... haha, parabéns, laurinha, sua imaginação tá a mil!

    ResponderExcluir
  2. Primeiro, lindo template, mais uma vez :)
    Agora sobre o texto...
    Achei incrível o amor dos dois. Lucas é um fofo, merecido nome. aheiaouehioaue
    Acho muito que ele largou Mirian pra ficar com Morgana, mulher forte e sensível. E linda.

    ResponderExcluir

Me incentive um pouco mais.