27 de maio de 2010

“Mal” necessário ou Tutorial de como mentir.

Mentira. Quem é que nunca mentiu nessa vida? Quem diz que nunca mentiu já está mentindo. É verdade. Não existe ninguém nessa vida que nunca utilizou esse ‘método’ para alguma coisa.
A mentira é um mal necessário, ou até um bem necessário. Pra mentir, você usa várias artimanhas. É toda aquela concentração para mentir. Você precisa estar sério para mentir. Primeiro, quando você quer mentir sobre algo muito sério, você tem que estar sério, SERÍSSIMO. Não pode soltar um risinho sequer. Segundo, seu olhar deve estar fixo, não pode se desviar. O desvio acaba revelando o grande mentiroso que tem por trás da carapuça. Terceiro, a mentira deve ser muito bem contada para pegar o besta que escuta. Não pode ser deslavada. Quarto, você não pode inventar coisas que não existem ou que estão fora do padrão. A mentira tem que ser a mais verdadeira possível.
Mentir, em certos casos, é errado. Ou esse errado é relativo? Não sei, mas não acho que seja errado. É, mas depende, né? Eu não vivo por aí mentindo, inventando histórias mal contadas etc. Eu uso a mentira por necessidade. Mas é sério mesmo. As minhas mentiras são as mais bestas possíveis. Não é o caso de mentir no tribunal e se eu for descoberta, eu estou ferrada. Não é isso.
Quando, por exemplo, alguém fala para eu fazer algo e eu acabo esquecendo, e a pessoa pergunta depois de algum tempo se eu já fiz, eu digo que sim, mesmo sem ter feito. Eu disse, é necessário mentir nesses casos. Eu prefiro mentir do que causar intriga, stress e blábláblás. Eu uso a mentira praticamente para isso. É tão fácil mentir assim. Você não precisa se preocupar muito. Quer dizer, precisa até um pouquinho. Se isso o que a pessoa te pediu pra fazer for urgente, você não pode andar por aí quem nem geladeira ambulante. Para a sua mentira ter um pouco de veracidade (contraditório, não?), você precisa correr.
“Você fez isso, Fulano?” “Não, claro que não, foi Sicrano”. Esse tipo de mentira não é muito fácil. Quando Beltrano pergunta a Fulano se foi ele que fez algo e ele responde que foi Sicrano, a coisa se complica para Sicrano. Mas se Sicrano diz que não foi ele de jeito nenhum e que foi Fulano, aí lascou. Só um está falando a verdade. E agora? Como Fulano é mais esperto, ele deixou pistas de que foi Sicrano que fez aquilo e agora ele ta livre de suspeitas. Sicrano não tem como provar que não foi ele, mas ele já deve ter cartas na mesa para se vingar. Cuidado com esse tipo de Sicrano. Não dê todas as suas culpas para ele. Um dia você pode cair na mentira de Sicrano e vai ter votação para quem é o mais mentiroso.
O que eu não acho muito legal é usar a mentira pra inventar histórias do tipo: “Eu viajei pra França e blábláblá”. Esse é quase o pior tipo de mentira. Se você mente desse jeito, tem que ter uma prova que é uma mentira verdadeira, como por exemplo, ter uma foto na França. Mas aí você vai ter que usar muito photoshop para isso e tem que ser profissional, ou se não, ninguém vai acreditar que você foi à França. Mas eu não vejo muita graça nesse tipo de mentira. Os outros podem até acreditar, mas você sabe que, no fundo, no fundo, isso não é verdade e que você nunca foi à França na sua vida.
Se você quer ir a algum lugar e esse tal lugar seus pais não curtem muito e diz que você não vai de jeito nenhum, o que você faz? Diz que vai ao shopping ou coisa parecida. Mas tome muito cuidado. No lugar que você foi, pode ter gente conhecida e que podem comentar que viu você. Você tem que ficar muito alerta e se esconder. Se essa pessoa realmente te viu, você diz que era muito parecida com você, que nesse dia tava no shopping ou sei lá por onde... Leva na bolsa ou vista por cima uma blusa. As pessoas tem uma boa memória. “Mas você estava com aquela blusa roxa de florzinha ou com aquela bermuda de surfista, não estava?” Seus pais viram que você saiu com uma blusa roxa de florzinha ou com a bermuda de surfista. Então você não foi ao shopping. Mas e se alguém te liga e diz que está no shopping também e que precisa te encontrar? Calma, se você está no shopping, pode dizer que está no cinema. Mas pra isso, tem que estar em um lugar muito silencioso. Um banheiro resolve o problema, ou não. E se a pessoa pergunta em que sala e qual filme você está assistindo? Diga que o filme acabou de começar e tem duas horas e meia de duração e que precisa prestar atenção no filme e desligue o celular imediatamente. Ela vai entender, se ligar de novo e ver que seu celular está desligado. Você estava num filme e não podia deixar ligava, porque te atrapalharia.

Enfim, algumas mentiras são necessárias e outras não, mas use sempre com moderação e sabia usar direito. Lembre-se: a mentira tem pernas curtas e você pode ser desmascarado(a). Invente o máximo que você puder e até onde der. Só não minta tanto, tanto assim. Se for descoberto, você pode se ferrar por causa disso e pegar trinta anos em clausura (exagero).

Essa postagem pode ser uma mentira, ou não. Eu posso estar mentindo, ou não. Eu posso usar o ‘ou não’ para mentir, ou não. Mas na verdade (que verdade?), eu sou a mentira em pessoa. Eu tenho pernas curtas.

2 comentários:

  1. HAHAHAH
    Leitura divertida, Inercya. Isso é um guia de como mentir?! Aiuehaiouehioae
    Eu minto, claro. Mas são essas mentiras necessárias, coisa besta.
    Quando eu saía escondida, no caminho eu tirava o óculos. Assim, dava pra disfarçar MUITO. :p
    Gostei do texto e principalmente do final. Toda aquela contradição e tal... haha
    Beijos, mentira :*

    ResponderExcluir

Me incentive um pouco mais.