29 de março de 2010

Um novo mundo. (?)

Abra a boca.
Que o mundo vai entrar em você.
Se sua boca for pequena, sinto muito.
Se sua boca for grande, parabéns.
Mas, de alguma forma, o mundo vai entrar em você.
Ele vai.
Porém, tenha cuidado.
Se ele entrar de vez, tenha certeza, ele e você acabaram.
Deixe ele entrar, mas aos poucos.
No final, verá que não foi mau.
Ele vai poder lhe ensinar.
Ensinar tudo.
O começo. O meio. O fim.
Não necessariamente nessa ordem, mas vai.
Ele vai.

Agora abra bem os olhos.
Feche a boca.
O mundo não é mais mundo.

27 de março de 2010

Dição sem contra.

Era meia-noite.
O sol estava escaldante.
Só se via nuvens cinzas no céu.
Aquela chuva forte.
E o lago estava seco.
Os peixes nadavam livremente.
E pescavam os homens.
O dia já não era dia.
A noite já não era noite.
O homem, animal irracional.
De repente, tudo muda de cor.
Não havia mais nada.
Só o branco.

24 de março de 2010

Um ser escorpiano.


Estava afim de falar sobre o meu signo, e também colar algumas coisas que acho bem interessantes e que combinam comigo. As coisas que leio, na maioria das vezes, me identifico. Sei que tem pessoas que não acreditam em horóscopo e tal. Mas eu acredito sim. Muito do que eu leio é praticamente eu. Parece algo que está me descrevendo, sei lá. Alguém que me conhece e que está falando de mim. Mas quase ninguém sabe que eu sou assim. Só eu e o meu outro eu.

Acho que as pessoas conhecem mal um escorpiano. As pessoas não têm a noção do que eles são capazes de fazer. Eles são misteriosos, muitas vezes ficam na deles, não falam muito sobre sentimentos, o que está sentido. Fica guardado lá no fundo e um dia explode de vez. Todos os sentimentos, bons ou ruins. Eles são sensuais, gostam muito de sexo, e é como água, não pode viver sem. Sentimentais. Sim, apesar de não demonstrar, eles são sentimentais. Quando algo mos atinge, eles choram por qualquer coisa. Mas você não ver eles chorando, certo? Claro que não. Eles preferem chorar sozinhos, pra não mostrar para os outros que estão chorando. Às vezes, sobe um ódio à cabeça deles. E, geralmente, isso os domina. Eles têm vingança correndo nas veias. Portanto, se você fizer algo, eles podem ser legais com você, podem falar normal com você, mas nunca vão esquecer o que você fez e um dia, quando você não lembrar, eles farão alguma coisa e você vai se impressionar. Apesar de tudo, eles fraquejam muitas vezes. Ficam sem rumo, sem saber o que fazer, sem forças. Mas eles quase nunca querem ajuda. Eles preferem sofrer sozinhos, serem fracos sozinhos, serem fortes sozinhos. Você pode até tentar ajudá-los, de todas as formas, fazer o possível para isso, mas eles sempre vão perceber que você não conseguiu, porque eles acreditam que a sua ajuda não vale muita coisa. Valer até vale, mas como eu disse, eles preferem sofrer. Eles não metem muito. Às vezes, inventam uma mentira, mentira besta, diz-se por necessidade. Mas eles omitem muitas coisas. Se você perguntar, eles podem até falar, mas sempre irão esconder algum detalhe.


Vai aqui embaixo alguns 'citações' que eu peguei em sites. Não colocarei o link.


"Características: profundidade, magnetismo, sexualidade, envolvimento emocional, persistência, perspicácia, senso de pesquisa, intuição, desapego, reciclagem, capacidade de cura, desconfiança, inflexibilidade, obsessões, lutas de poder, controle excessivo, ciúmes e vingança."

"Apesar da fama que este signo possui, ele é muito mal compreendido, talvez porque ele próprio não faça nada para melhorar a sua imagem. De fato, ele se esconde atrás de uma aparente frieza e desconfiança, levantando uma barreira quase intrasponível ao seu redor. Ele se mostra sempre desconfiado, especialmente, no que diz respeito aos seus próprios sentimentos e detesta responder a qualquer tipo de pergunta íntima e direta. Ele ama ou odeia e... sabe odiar da forma mais fria e cruel possível!"

"Os escorpianos são capazes de grandes paixões e de grandes ódios, e irão esperar o tempo que for para se vingar, se se sentirem traídos. Mas sabem amar como ninguém e sabem odiar como ninguém, sabem ferir como ninguém e compreender como ninguém. E pode até não parecer, mas a verdade é que os escorpianos são amantes românticos e sonhadores. O duro é convencer os escorpianos a revelarem o amor que sentem."

"A personalidade Escorpião é a essência do mistério, daquele olhar magnético que te atravessa e te desnuda até a alma. Nada é superficial com Escorpião. Aliás, sua a personalidade despreza qualquer coisa próxima ao supérfluo ou mesquinho. Sua vida é muito vivida através dos extremos: oito ou oitenta. "





P.s: Lembre-se! Escorpião tem ferrão.

19 de março de 2010

A origem do nome Inercya

Como prometi a @nuvens, hoje irei falar a origem do meu "artístico". Hehe

"Todo corpo permanece em seu estado de repouso ou de movimento retilíneo e uniforme, a menos que seja obrigado a mudar seu estado por forças a ele impressas." (Fonte: Wikipedia - 1ª Lei de Newton)

Bem, serei breve, até porque esse nome não tem muita história. Há um ano, fiz o twitter (como todos conhecem). Meu twitter era @vanessaqueiroz. Eu recebi menos de dez reply com esse nome. Sei lá, eu achava meio brega esse nome e queria uma coisa diferente, um nome que marcasse. E então, do nada, me veio essa palavra: inércia. Soava tão bonito, um som forte. Achei legal e decidi mudar meu nome. E, bem nessa época, percebi que esse nome era a minha cara mesmo. Eu nunca me dei bem em Física, então um nome para mim relacionado a ela, cairia bem. Em relação à Física, eu vivia na inércia. No caso, no estado de repouso, e nenhuma força veio mudar esse estado, então... Foi a partir daí que decidi adotar esse nome em todas as minhas redes virtuais (orkut, formspring, msn, blog e twitter).



















(não precisa entender o propósito da foto)







P.s: Não foi o que vocês imaginavam. Eu sei.

16 de março de 2010

'Feliz Aniversário!'

Antes de mais nada, essa não é uma postagem especial para alguém que está aniversariando (isso é só um p.s. reverso).

Estava eu pensando um dia desses sobre essa história de aniversário e pensei (novamente) que seria uma boa eu escrever sobre isso, pois acho que muita gente pensa como eu. Ah, eu ainda estou adiando dois textos que não escrevi, que @nuvens tem me cobrado. É que estou dando um tempo para isso, para juntar as ideias.

Eu sempre achei essa história de aniversário meio chata, sabe? Claro que a parte de ganhar presente é a melhor. Eu sempre me sinto estranha quando meu aniversário está chegando. Não é nem porque 'mais um ano de vida, mais um ano perto da morte' com alguns dizem. Até porque a morte não depende da idade (deixemos de falar de morte, odeio este assusto). Eu não sei o porquê. Não mesmo. Só sei que é estranho. É estranho as pessoas se reunirem por sua causa. É legal, é divertido, mas estranho. A pior parte é a do "Parabéns pra você, nesta data querida...". Eu fico tão sem graça. Fico sem saber para quem olhar. Às vezes olho para o nada. É mais fácil de controlar a situação. E todos sorriem para você, cantando super alto.

Chegou o dia do seu aniversário. Você acorda, as pessoas estão bem mais legais com você, te fazem até um mimo. E você recebe muitos telefonemas. Depende do ano(não irei dizer 'depende do dia', até porque não muda, enfim), muitos, digo, uns dez ou mais. É aquele telefonema chato "Oi Fulana, parabéns! Tudo de bom pra você e blábláblá"... Depois disso, o 'papo' acabou. Mesmo que seja alguém que você conhece bem, o 'papo' fica estranho (geralmente, quem te liga no dia do seu aniversário é alguém que você conhece bem. Eu disse 'geralmente'). É sempre a mesma coisa. "Quantos anos? Já? Meninaaaa, tu cresceu muito rápido!" Se for seu tio, sua tia, sua avó, irá dizer "Eu lembro quando você tinha tantos aninhos. Bem pequenininha no colo da sua mãe...". Não estou dizendo isso porque eu não gosto. Até acho isso engraçado, todo ano ouvir a mesma coisa. Mas isso é bastante convencional, não é verdade? As pessoas te parabenizam por convenção. Eu acredito nisso. Mesmo assim, eu fico feliz quando me ligam, mesmo que seja para escutar o de sempre. Fico feliz quando lembram. Eu me sinto especial para essa pessoa que está ligando. Mas fico 'ofendida' quando alguém que eu espero que vá lembrar e ligar, acaba não ligando.

Eu, particularmente, odeio ter que fazer ligação. Porque eu sei que vai ficar aquela coisa. A gente precisa treinar antes, vê se tem algo interessante para falar depois de dá os parabéns. Tem que ter estratégia. Ou então, tem a opção de ser curto e grosso. Parabéns, tchau. Isso não é tão convencional. Ninguém gosta disso. Têm vezes que sou 'obrigada' a ligar, quando é aniversário de algum tio, tia...É um saco! Eu prefiro ir ver a pessoa, dá um abraço e pronto. Porque fazer ligação não é para mim, não mesmo.

Engraçado é no orkut. Eu sempre deixei a data do meu aniversário aparecendo lá. Também por convenção. Eu sei, todo mundo diz que isso é muito falso e eu concordo plenamente. Deixo por curiosidade, para saber quem vai mandar recado, quem vai surgir das cinzas pra dizer o convencional. Eu até faço o mesmo, não vou mentir. Quando eu estou com vontade, mando até pra quem eu não falo há um bom tempo. É curioso isso. As pessoas acabam se 'unindo' de uma forma estranha, louca, por dois segundos. "Parabéns e blábláblá". "Ah, obrigada! Ah, valeu!" É sempre assim, não muda de jeito nenhum!


P.s('disreversado'): Acho que o texto ficou meio aleatório em algumas partes.



Feliz Aniversário a todos, mesmo que hoje não seja o seu dia.

11 de março de 2010

Quando a insônia bate na porta...

Por acaso, não por muito acaso, eu lembrei de outra relíquia que eu tinha. Encontrei um bloquinho da Panan Móveis(rs), datado de 24/09/07, com coisas sem sentido que eu escrevi numa beeeeeeela noite de insônia. Quando a insônia bate, a gente tenta fazer algo de 'produtivo'. Eis minhas escritas:

"A vida é como um prato de sopa". (Okay, não sei o que é isso. Estão abertas as interpretações).

"Sou a fumaça que cobre o céu". (Acho que eu tava lembrando de Lost. Fumaça, coisa e tal, lostzilla).

"Queria matar aquele gênio mau dentro de mim. Aquele que diz: 'Odeio vocês'. Aquele que te faz perder a cabeça. Aquele que te leva à lugares sombrios. Aquele que te faz um ser inexistente". (Sem comentários).

"Por que a insônia insiste em te mandar embora, sono? Por que tu perdes o caminho e não voltas mais? Ela te faz crer que não existes mais. Ela te controla cada vez mais". (Eu converso com meu sono Q e com rimas ainda mais QQ).

"Sou um país. Sou o Brasil. Dentro de mim só há bagunça, maldade, corrupção.
Sou uma pessoa sem coração. Faço parte da indignação. Porém, de nada, eu abro mão.
O poder é minha afeição. Deixo de lado a preocupação. E vivo sem dor e compaixão". (Hein? Eu não sou o Brasil, eu não sou assim. E pra quê tanta rima?).

"Perdi a memória.
Tudo aquilo que foi dito já está esquecido.
Não foi bem uma despedida, mas um adeus temporário". (Isso deve ter algum sentido, eu acho).

"Lembra dos velhos tempos?
Das idas e vindas. Das noites de verão.
Dos dias de Domingo. Dos Sábados sempre bem-vindos". (Bem-vindo continua com hífen, eu pesquisei :D. E desde quando eu me importo com noites de verão?).

"Foi só um momento.
Foi só uma canção.
Foi só um acaso.
Foi só uma ilusão". (Mais uma rima. Q).

"Vanessa, eu não te entendo. Porque escreves isso às 23h30 da noite e não vai dormir? R: Porque a insônia é minha inimiga". (Detalhe 1: além de falar com o sono, falo comigo. Detalhe 2: Se são 23h30, é claro que é noite, né?).

"A noite me revela algo que nunca foi visto, vivido ou entendido." (Até hoje eu não sei o que me foi relevado).

"Não sou um mapa pra revelar segredos. Sou um baú perdido, à espera de um mapa escondido." (Profundo, não? E pra mim, mapas revelam tesouros, ria).

"Eu tenho tanta coisa pra dizer, mas não consigo dizer nada a ninguém. Estou trancada dentro de uma caixinha e dela eu não estou conseguindo sair. E há alguém que possa me tirar dali? Há?" (Velho, me indentifiquei com isso. OI, eu que escrevi. Hehe).

"Deito e pensamento.
Vem.
Não.
Consigo dormir.
Tudo começa.
A fase.
Termina. Está.
Longe de acabar.
Pensamento.
Voa.
O passáro,
O passo.
De um novo.
Fim." (Eu tentei dormir depois dessa. Comentário na folhinha: 'Tentarei dormir. Possivelmente não conseguirei. Ah, vida de boi...' Poderia ser vida de gado, hein?).

"Parece que estou em outro mundo. Tantos pensamentos bobos, tantas indecisões, tantas loucuras em um só ser". (Isso combina com minha vida de agora, 2010).

"O meu refúgio é lápis, papel e a música". (Cadê o plural aí?)

Bem, acabo por aqui. Escrevi essas coisas aqui conforme li no bloquinho, e notei algumas coisitas erradas ou meio fora do comum. Mas eu escrevi no escuro, vai. E eu tava com insônia. Sabe como é, procuro desculpas.

3 de março de 2010

Blog, o que é isso?

Eu tenho blog? É sério?

Às vezes eu me esqueço que eu tenho um.

Como se eu não tivesse tempo pra escrever aqui. Até parece. Na verdade, eu tenho bastante tempo e nunca lembro que eu tenho esse tempo. E se eu lembrasse, eu usaria esse tempo pra escrever aqui. Mas, escrever o que? Eu pensei que todo dia iria atualizar meu blog, mas eu nem tenho o que escrever. Poesia? Ah, eu já fiz algumas, mas Poesia rima com hipocrisia. E porque eu iria escrever poesia?
Ah, eu já entendi o porque de eu não postar tanto aqui. Veja o nome do blog: Inercya. A inercya verdadeira não é com Y e tem acento. Pois é, é por causa da inercya em mim que eu não escrevo. Falando nisso, estou até devendo a alguém que me perguntou "Por que inercya?", um post aqui explicando. Mas hoje nem estou afim de responder essa pergunta, então deixa pro próximo, okay?
Hoje eu mexi na minha gaveta da cômoda. Aquilo é um museu, sério. É incrível como o "povo" gosta de ver o que eu tenho ali. E não dá pra fazer uma lista de relíquias que se encontra ali. Tem coisa de mil novecentos e trinta (modo de falar). Mas eu adoro mexer nas minhas relíquias, até achei coisinhas que escrevi. Vou colocar aqui, mas só lembrando que eu não gosto de poesia, se é que posso chamar de poesia.

"Quintal (03/04/08)

Do meu quintal
Às onze da noite
Eu vejo o céu
No seu azul infinito
Cheio de estrelas
Cheio de brilho
Porém, tem uma em especial*
Aquela que
Em mutações de cores
Chamou minha atenção.

Aos latidos dos cachorros
Aos zunidos dos grilos**
Ao som do avião
Que aterriza na terra***
Deixo a minha mente fluir
Até meu sono chegar
Para levar-me ao aconchego
Do dia que se terminou."

Eu coloquei a "poesia" como escrevi, e então percebi que tinha algumas falhas:
*A especial que eu citei era uma estrela. Eu não a citei antes. oÔ
**Desde quando grilos "zunam"?
***Aqui não é falha, é só uma explicação. A palavra "terra", com letra minúscula mesmo, por que o avião não saiu do planeta, então ele aterriza na terra com letra minúscula.


A outra coisinha que eu encontrei não tem data, mas eu sei que foi em meados de 2003 ou 2004, ou seja, é muito velha. Eu tinha 12 anos. Lembro muito bem o por que de escrever isso. E não tem título.

"Lembro-me que naquele dia, ao
acordar, senti uma sensação estranha.
Triste. E assim, chegou o pranto. Foi
devastador.
Ao me deitar, passando a mão em
minha cabeça, ela disse em meu
ouvido: "Eu estou bem". Logo, o sono chegou
e eu dormir em paz."